quarta-feira, 24 de novembro de 2010

MEMORIAL REFLEXIVO


TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: ensinando e aprendendo com as TIC -100 horas

Ao refletir sobre as inúmeras inovações do mundo contemporâneo em que vivemos, deve-se tomar consciência da importância da inserção das tecnologias no cotidiano das pessoas, bem como compreender a construção do conhecimento na sociedade da informação percorrendo caminhos para participar mais efetivamente desse processo inserindo-a na prática do educador, onde este deve dar respaldo contribuindo com a qualidade da educação , inclusão social de crianças, jovens, e adultos.

Esse curso veio de encontro aos meus anseios quanto à utilização dos recursos tecnológicos no âmbito pedagógico o que propiciou uma nova forma de comunicação, gerando assim conhecimento neste novo ambiente que com certeza potencializará ações significativas que já vem sendo executadas por outros docentes. Considero o meu aprendizado positivo, pois cada atividade era uma nova descoberta, fui estimulada a pesquisar na internet, bem como conhecer as ferramentas para essa busca. No decorrer do curso pude interagir com o trabalho da professora Cleudinete Medeiros da Silva, da Escola Paroquial Cristo Rei, onde planejamos uma atividade com sua turma de 1º ano com a utilização do hipertexto e hipermídia apresentando uma estória com textos e imagens através do hiperlink, foi muito gratificante a participação dos alunos e o mais importante é que a professora deu continuidade na ação incluindo no seu planejamento. A atividade seguinte foi na Escola Estadual Profª Aldenora Alves Correia, na turma do 2º ano B da professora Lindalva Vicente de Sousa, onde foi planejada e executada a temática Aprendendo Com os Diversos Tipos de Textos e o Uso dos Recursos Tecnológicos, vale ressaltar que no desenvolvimento desta ação teve uma boa participação por parte da turma. A última atividade do curso foi dentro da Unidade IV Currículo, Projeto e Tecnologia, onde fiz menção e contextualizei uma atividade que realizei na Escola Estadual Pe. Giuliano Moretti na turma de 4º e 5º ano do Programa Aceleração da Aprendizagem dentro Projeto Reforço Escolar intitulado “Aprender Ler e Escrever Confeccionando Um Mini- Dicionário. De acordo as ações propostas procurei estudar mais para compreender e realizar os trabalhos direcionados em cada unidade. A interação com os colegas tanto do grupo ao qual fiz parte, quanto aos demais que participaram desse ambiente de aprendizagem proporcionou uma troca de experiência uma vez que todos já somos educadores, mas necessitamos de aprender em todos os momentos da vida, pois o conhecimento nunca é suficiente.
No início do curso tive um pouco de dificuldade para compreender os comandos de inserir o hiperlink, manusear programa do move make, outro dificultados foram as postagens das atividades. Porém, tais dificuldades apontadas foram superadas com o apoio das Multiplicadoras do NTE-DRE Raimunda Brito e Fátima Campos e os próprios colegas cursistas. Outro entrave foi a falta de internet no momento de acessar o curso devido a demanda de acessos ao mesmo tempo. Ainda não superei a dificuldade de disponibilizar as sugestões de aulas no Portal do Professor, pretendo continuar insistindo até aprender.
O aprendizado adquirido com esse curso servirá de ferramenta para o aperfeiçoamento de minha prática no dia-a-dia, pois a todo o momento necessitamos de algo inovador e a busca do conhecimento nunca se esgota. As atividades propostas fizeram com que eu me dedicasse mais ainda no ato da leitura, escrita, interpretação e a própria pesquisa em diversos sites educativos.
Bem, na carreira de educadora sempre procurei inovar com os recursos disponíveis na unidade de ensino, só que às vezes as atividades não eram bem direcionadas, pois faltava maior conhecimento sobre como utilizar determinados equipamentos, sem falar que o manuseio destes gerava um pouco de receio, pois a diretora recomendava que poderia utilizar, porém, não era para entregar com nenhum defeito. Mas aqui na Diretoria Regional de Ensino já tive oportunidade de aprender manusear vários, bem como ter clareza dos benefícios que tal recurso trará para o meu aprendizado e principalmente do alunado. Eu sugiro que dêem continuidade a ação como essa que estimula o professor a ensinar seus conteúdos tendo como ferramenta de trabalhos os diversos recursos tecnológicos e as orientações de como trabalhá-los de forma dinâmica.




Cursista: Maria da Penha Costa e Silva Amorim

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Conceituando Currículo e sua Integração com as Tecnologias
Cursista: Maria da Penha Costa e Silva Amorim

Ao refletir sobre o conceito de currículo percebe-se que este não se refere a conteúdos prontos a serem passados para os alunos. É entendido como construção, seleção de conhecimentos, práticas produzidas em contextos concretos, em dinâmicas sociais, políticas, culturais, intelectuais e pedagógicas. Currículo trabalha tanto com o conhecimento organizado, sistematizado e selecionado em estruturas previamente concebidas, como o conhecimento que o aluno traz do seu contexto de vida.
Hoje são inegáveis as contribuições das tecnologias ao desenvolvimento do currículo, quando o professor tem objetivos claros na sua utilização, conhece os recursos que utiliza e integra-os ao seu projeto curricular dando enfoque na intencionalidade pedagógica voltada para o desenvolvimento da capacidade de pensar e aprender com tecnologias.
A integração do currículo potencializa mudanças na aprendizagem, no ensino e na sala de aula, redimensionando o papel da escola e do professor, através do uso das tecnologias no desenvolvimento de projetos com os alunos, transformando a sala de aula em um espaço que enfatiza a construção e a reconstrução de conhecimentos por meio de interações, reflexões que de certa forma contribui na formação de cidadãos conscientes, participantes, contínuos aprendizes, que tenham autonomia na busca, na seleção de informações, na produção de conhecimentos para resolver problemas do cotidiano e do trabalho tornando-os capazes de aprender ao longo da vida.
O desenvolvimento de projeto no âmbito curricular permite que o aluno aprenda-fazendo e reconheça a própria autoria no que produz através de questões de investigação que lhe impulsionam a contextualizar conceitos já conhecidos e descobrir outros que surgem durante o desenvolvimento do projeto.A mediação do professor é fundamental, pois, implica a criação de situações de aprendizagem que permitam ao aluno sistematizar e formalizar os saberes adquiridos, colocandos-os em ação, potencializando a integração de diferentes áreas do conhecimentos, permitindo ao aluno expressar seu pensamento por meio de diferentes linguagens e formas de representação.


sexta-feira, 29 de outubro de 2010

PENSANDO SOBRE POSSÍVEIS MUDANÇAS E CONTRIBUIÇÕES DAS TECNOLOGIAS
O uso dos recursos tecnológicos disponíveis no âmbito escolar suscita mudanças na prática docente de muitos professores, com esse aparato dentro das escolas espera-se uma inovação no processo de ensino e aprendizagem bem como conseguir maior atenção dos alunos, aguçarem a sua curiosidade e superar limites entre o saber elaborado e os conhecimentos de vida dos alunos.
Essa nova realidade apresenta-se como um grande desafio para os educadores nos dias atuais, não só aceitar as mudanças, mas também fazer parte delas. A linguagem tem passado por constantes mudanças devido a influencia da internet. A sociedade educacional precisa estar aberta para conviver com esse novo jeito que os alunos têm de se comunicar, tornando-se mais flexível para conseguir acompanhar o ritmo dos alunos.
As mudanças tornam-se explicitas, os alunos passam a ser produtores dos seus próprios conhecimentos, muitos professores têm demonstrado mais preocupados em se engajar no processo de aprender a construir conhecimentos tecnológicos e a atuação destes exige de fato novas mudanças de atitudes compatibilizando com métodos renovados frente às diversas formas de diálogos entre educação e mídias.
As experiências com cursos que estimulam a utilização das tecnologias propiciam uma relação mais próxima e a desmistificação de que a tecnologia poderá “substituir” o professor, sendo um mecanismo pedagógico muito dinâmico e significativo para alunos e professores é processo mais atrativo. São inúmeras as experiências de ações docentes com o uso das tecnologias que esse curso vem trazendo contribuições significativas para o desenvolvimento do ensino e aprendizagem, se houver clareza e intencionalidade pedagógica, o uso dessas ferramentas pode estar atrelado a um projeto curricular que se proponha a desenvolver a capacidade de pensar e aprender com tecnologias. Os educadores que aprendem a usar recursos tecnológicos não conseguem abandoná-los, pois percebem a facilidade e a eficácia dos mesmos e estes elementos passam a fazer parte de seu material pedagógico. Com isso, é necessário que o professor tenha abertura e flexibilidade para relativizar sua prática e as estratégias pedagógicas, com vistas a propiciar ao aluno a reconstrução do conhecimento. É imprescindível delinear formas que atendam as reais necessidades dos alunos, que valorizem o conhecimento que o aluno é capaz de construir, bem como aquele que é inerente ao ambiente em que este aluno está inserido.
Vale lembrar que o uso das tecnologias é muito útil, mas não substitui o papel do professor em sala de aula e a sua interação com a turma. Essas novas mídias digitais são importantes no fazer pedagógico inovando as diversas metodologias para atrair esse aluno da geração da internet. Acredito que o professor irá conseguir atingir seus objetivos propostos se este estiver consciente da necessidade participar de cursos e capacitações, formações continuadas, à distância ou não, bem como ser um leitor praticante estando em dia com os temas da atualidade para que ele possa desempenhar sua função com sucesso dentro da Unidade Escolar.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA

O estudo da unidade 2 foi muito valioso pois descobri que trabalhar com hiperlink amplia o conhecimento do indivíduo em vários campos, a aula que eu e meu grupo planejou foi riquíssima e melhor ainda foi prática com os alunos. Esse curso é uma oportunidade de todos nós educadores buscarmos novos horizontes dando ênfase na aprendizagem significativa.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

ativ-4_penha planejamento da aula

PLANO DE AULA 1º ANO
ESCOLA PAROQUIAL CRISTO REI
PROFESSORAS: CLEUDINETE MEDEIROS DA SILVA
CURSISTAS: EDNA MARIA MATIAS SOUSA
MARIA DA PENHA COSTA E SILVA AMORIM
TEREZINHA DE JESUS MORAIS ALVES
CURSO: ENSINANDO E APRENDENDO COM AS TIC - EPROINFO

DISCIPLINAS: LÍNGUA PORTUGUESA, MATEMÁTICA, GEOGRAFIA E CIÊNCIAS
HABILIDADES:
 Ouvir os outros com atenção;
 Comentar a história ouvida;
 Escrever nomes de desenhos;
 Escrever lista temática(animais);
 Resolver situações-problema utilizando-se de estratégias próprias;
 Ler informações contidas em imagens;
 Reconhecer os diferentes tipos de espaços.
CONTEÚDOS:
 Gêneros textuais: Fábulas;
 Produção de texto por meio de desenho;
 Contagem e agrupamentos de animais;
 Leitura de imagem;
 Lateralidade;
 Espaços.
SITUAÇÃO DIDÁTICA:
• Apresentar a ilustração da história Centopéia para os alunos do 1º ano através do projetor de imagens,estimulando-os a fazerem levantamento de hipótese do texto;
• Em seguida ler o texto comparando com as hipóteses levantadas;
• Solicitar que os alunos representem através de desenho no caderno de produção textual o que entendeu da história;
• Listar o nome dos animais que aparecem na história;
• Expor novamente a história para que os alunos confiram a lista realizada se faltou algum animal agora pode acrescentar;
• Registrar o quantitativo de animais apresentado na história;
• Em relação a Centopéia, qual a posição que apresenta a formiguinha(acima, abaixo, direita, esquerda);
• Qual o maior e o menor animal da história?
• Comparar a classificação dos animais quanto: cobertura do corpo, quantitativo de patas, mamíferos, rastejam...
• Onde se passa a história? No campo ou cidade? Porquê?
RECURSOS DIDÁTICOS:
Computador com acesso a internet e editor de textos
Data show
Sites de acesso à fábulas
Papel chamex
Caderno de produção textual do aluno
Palitos ou material dourado
Note book
Câmera digital
Pen drive
Dicionário e livros de Literatura Infantil.
AVALIAÇÃO:
Observar se o aluno ouviu com atenção e realizou as atividades propostas durante a aula.
REFERÊNCIAS
Fluxo de aulas
Matriz de habilidades IAS
Sites de acesso à fábulas

Filme eproinfo

video

segunda-feira, 21 de junho de 2010

PLANEJANDO COM HIPERTEXTO E INTERNET






PLANEJANDO COM HIPERTEXTO E INTERNET
Planejar utilizando hipertexto e a internet foi uma experiência inovadora, como tudo novo apresenta dificuldades, nesta ação não foi diferente, principalmente na apresentação dos links, mas não foi impossível superá-las.
Ao iniciar a aula foi apresentado aos alunos um material concreto (centopéia)para fazer uma prévia dos conhecimentos que os alunos possuem em relação à centopéia, com isso foram estimulados a levantarem hipóteses diante dos fatos ocorridos na fábula apresentada.
Para realizar essa atividade utilizou-se de vários aparatos tecnológicos como: Data Show, note book, câmera digital, pen drive, acesso a internet, dicionário e livros de Literatura Infantil.
Os registros dessa aula foram feitos através de relatórios e fotografias, para comprovar a realização e resultados da ação proposta.
Nesta atividade foram contempladas várias disciplinas: Língua Portuguesa, Matemática, História, Geografia e Ciências. Os conteúdos trabalhados foram: Gênero textual –fábula, contagem, comparação, lateralidade, acontecimentos dos fatos, localização do espaço, animais, plantas e parte do corpo.
Ao utilizar os recursos tecnológicos em sala de aula, percebe-se que os alunos ficam mais atentos, participativos e o resultado supera o esperado, visto que os mesmos estão cansados da mesmice. Isto mostra que o curso está oportunizando os professores a mudarem de postura em relação ao ensino e aprendizagem e os links proporcionam a aquisição de novos conhecimentos.
Esse trabalho foi realizado com a professora e alunos da turma do 1º ano do turno vespertino da Escola Paroquial Cristo Rei.
Professora: Cleudinete Medeiros da Silva
Cursista: Edna Maria Matias Sousa Maria da Penha Costa e Silva Amorim e Terezinha de Jesus Morais Alves

quarta-feira, 19 de maio de 2010

O QUE É HIPERTEXTO

HIPERTEXTO

Podemos dar para este termo diversos conceitos, pois a expressão dá idéia de abrangência, mas, no entanto, se caracteriza por algo que exige conhecimento do que se busca para chegar ao produto final.
É conveniente que se entenda o hipertexto como um texto ao qual foi agregado informações diversas utilizando-se de recortes textuais, imagens, palavras de várias origens de forma a interligar a organização de conhecimentos tendo como finalidade a comunicação através da leitura e escrita direcionado a um formato digital.
O hipertexto envolve a não linearidade, ou seja, ele leva em conta o conhecimento do autor do texto em relação ao assunto em questão. Poderiam também ser entendidos vários textos interligados ao mesmo tema, mas com inúmeras interpretações.
Quando escrevo determinado texto minha intenção é externar meus sentimentos e idéias e convencer o leitor que tenho conhecimento de causa do tema abordado. Mas para que o texto se torne rico em informações é necessário o aperfeiçoamento da leitura e revisão da escrita.
Nos dias atuais há uma diversidade de recursos que enriquecem o nosso vocabulário, basta que se vá à busca desses artefatos que é o livro e a internet. Trabalhar com hipertexto leva o indivíduo a produzir de textos e traz vantagens no ato de construir o conhecimento de forma dinâmica e inserindo o cidadão no processo educativo do mundo digital. Sempre defendo a idéia de que a leitura é exercicio diário, e quem ler bem com certeza será bom escritor e intérprete de suas prórias idéias.A internet muito tem contribuido para o avanço da pesquisa e oferece uma gama de informações que se soubermos selecionar adquirimos conhecimentos que contribuirão com as limitações sobre determinado assunto que demanda essa busca pelo aprendizado.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

QUEM SOU EU COMO PROFESSOR E APRENDIZ

Nos dias atuais precisamos trabalhar na perspectiva de despertar a curiosidade de nossos alunos, ou seja, instigar para que estes questionem diante dos conhecimentos que já possuem.
Há uma preocupação muito grande por parte das Secretarias de Educação e Mec em atualizar os profissionais da Educação de forma que eles possam acompanhar essa evolução tecnológica e adquiram habilidades necessárias para dominar a utilização de novos sistemas de representação do pensamento por meio do aparato tecnológico disponível nas Unidades de Ensino sendo um elo na aquisição do conhecimento de seus alunos.
É de suma importância que o professor desenvolva uma prática interativa com seus alunos onde ele possa atuar como instrutor e aprendiz, partindo do pressuposto de que quando ele ensina está aprendendo ao mesmo tempo. E nessa relação é interessante que ouça as idéias dos alunos contextualizando-as, bem como ter flexibilidade no ato de ensinar .
A aprendizagem acontece em todos os momentos e em qualquer lugar, precisamos entender que mesmo sendo educadores também aprendemos com os colegas de trabalho, isto é, com o meio em que se vive.
Enquanto educadora estou sempre busca de inovação de minha prática, pois hoje, os professores têm que lidar não só com alguns saberes, mas também com a tecnologia e com a complexidade social, o que não existia no passado. Sabe-se que a escola lida com uma diversidade de pessoas, de todas as raças e etnias e para atender essa demanda com qualidade precisamos estar preparados e atualizados.